• (62) 3212-1206
  • (62) 9 9907-4823
  • (62) 9 9231-9169

Conheça alguns tratamentos

A prevenção é a melhor forma de garantir a saúde e o bem estar dos pés. Fazemos uma avaliação de cada situação indicando o tratamento.

Oferecemos tratamentos eficazes para correções de unhas e podopatias relacionadas a mal manutenção das mesmas.

A unha do pé encravada, também chamada de onicocriptose, ocorre quando a borda da unha cresce e entra na pele do dedo. Pode haver dor, vermelhidão e inchaço ao redor da unha.

Uma unha encravada pode resultar de inúmeros fatores, mas sapatos inadequados e unhas não cortadas corretamente são as causas mais comuns. A pele na borda da unha do pé pode ficar avermelhada e infectada. O dedão é geralmente afetado, mas a unha de qualquer outro dedo do pé pode encravar.

Onicomicoses(Fungos)

As onicomicoses são infecções fúngicas das unhas. As unhas dos pés são afetadas mais comumente que as das mãos, pois oferecem um ambiente mais propício ao desenvolvimento dos fungos (umidade, escuro e aquecimento) encontrados dentro dos calçados. Além disso, a queratina (material de que a unha é composta), "alimento" dos fungos, é mais abundante nas unhas dos pés que nas das mãos. As onicomicoses representam tanto um problema de saúde quanto um problema estético e, sob ambas as vertentes, requerem pronta solução. Frequentemente, as onicomicoses estão associadas às dermatomicoses.

Quais são as causas das onicomicoses?

As onicomicoses são causadas por fungos contraídos do solo, de animais ou de outras pessoas, por meio de instrumentos contaminados. As pessoas com imunodeficiências, diabetes mellitus, psoríase, etc. estão mais predispostas às micoses de unhas que as outras.

Quais são os principais sinais e sintomas das onicomicoses?

As manifestações clínicas das onimicoses são muito variadas:

  • Espessamento da lamina (unha).
  • Presença de maceração e forte odor.
  • Deformação e mesmo destruição das unhas.
  • Ao mesmo tempo as unhas mudam de cor e se tornam quebradiças

Tratamento

Marque sua avaliação com um podólogo.

Como surge

A unha infeccionada é, na maioria dos casos, uma infecção de origem bacteriana, que provoca intensa inflamação na pele do canto da unha. Pode surgir nos dedos das mãos ou dos pés.

inflamação surge quando bactérias comuns da pele conseguem contaminar feridas produzidas ao redor da unha, geralmente após pequenos traumas, como lesões na cutícula, roer as unhas, cortar a unha em excesso, topadas com o dedão do pé, uso de sapatos apertados, ou quando a manicure “tira um bife” do seu dedo.

É importante entender que a pele é uma barreira física que protege o nosso organismo contra germes do meio exterior. Sempre que essa barreira sofre uma lesão, surge uma porta de entrada para que as bactérias da pele tenham acesso aos tecidos mais profundos.

Do tamanho de uma ervilha, os calos formam-se como uma tentativa de protecção do nosso corpo sendo constituídos por uma camada extra de pele que se forma em locais sob constante fricção ou pressão. E no seu centro pode formar-se um pequeno ponto claro. A sua origem pode ser devida ao tipo de calçado ou dimensão dos dedos, pois os dedos dobram aquando pressionados contra o sapato.

Os calos podem ter uma consistência dura ou mole:

  • Calos duros: situam-se geralmente sobre as articulações dos dedos dos pés ou na parte lateral do dedo pequeno.
  • Calos moles: geralmente muito dolorosos, encontram-se habitualmente na zona interdigital (entre os dedos do pé) quando friccionados uns contra os outros.

Ao contrário da maioria das calosidades, os calos podem causar dor porque o espessamento da pele faz pressão sobre o osso que se encontra por baixo. Em alguns casos, os calos confundem-se com verrugas plantares, que também contêm uma espessa camada de queratina. No entanto, as verrugas são muito sensíveis quando são comprimidas dos lados, enquanto os calos são mais sensíveis à pressão directa contra o osso.

As CALOSIDADES são espessamentos da pele planos e indolores, geralmente sem limites bem definidos e com dimensão variável. As calosidades formam-se em articulações e em zonas que suportem peso como as plantas e zonas laterais dos pés, sendo geralmente assintomáticas, a menos que lhes seja aplicada pressão.

As verrugas plantares são causadas por uma infecção pelo HPV (papilomavírus humano), quando esse vírus penetra em pequenas fissuras na sola dos pés. Embora haja mais de uma centena de tipos de HPV somente uns poucos causam verrugas nos pés.

É transmissível?

Sim, as verrugas plantares transmitem-se geralmente através de banhos em piscinas públicas, ou quando se partilha o mesmo calçado com outras pessoas, etc.

Sinais e sintomas

Os principais sinais e sintomas das verrugas plantares são protuberâncias rígidas na sola do pé, cobertas por um espessamento da pele semelhante a uma calosidade e um característico pontilhado preto geralmente chamado sementes da verruga, mas que na verdade são pequenos vasos contendo sangue coagulado.

Tratamento para verruga plantar

Marcar uma consulta com um especialista (podólogo ou dermatologista).

São considerados pés de risco, todos aqueles que apresentam alterações do foro neurológico, metabólico, sistémico e vascular.
O pé diabético é uma das maiores preocupações para a comunidade podológica, pois o aparecimento de úlceras nos pés pode, em alguns casos, obrigar à amputação do pé ou parte dele. Por este fato, a Podologia é considerada de extrema importância para a prevenção e tratamento das podopatias dos doentes diabéticos. Os fatores que contribuem para que a amputação aconteça são a neuropatia e a isquemia.

A neuropatia traduz-se na perda de sensibilidade tanto dolorosa como térmica, ou seja, perde-se a capacidade de sentir dor e calor. Infelizmente, muitas vezes, o grande responsável pelas agressões sofridas pelos pés é o calçado, apesar deste ter sido inicialmente criado para proteger os pés. No caso dos diabéticos, se o calçado for inadequado pode tornar-se num verdadeiro "inimigo" De forma evitar todo e qualquer transtorno que o pé diabético possa originar, dever-se ter um correto e periódico acompanhamento podológico e com um endocrinologista.